24/04/2017

Futebol em forma de espetáculo

Vinícius Dias

De um lado, Bale, Benzema e Cristiano Ronaldo. Do outro, Messi e Luis Suárez - suspenso, Neymar foi desfalque. De todos, a expectativa de um grande clássico, confirmada em campo pelos comandados de Zidane e Luis Enrique. Com muita intensidade, Real Madrid e Barcelona fizeram o melhor jogo do ano, decidido apenas no minuto final, quando Messi concretizou o último ato de seu show particular e colocou o time blaugrana na liderança do Campeonato Espanhol, a cinco rodadas do fim.


Diante de um Santiago Bernabéu lotado, o Real Madrid começou melhor, pressionando a saída de bola e buscando a definição rápida no campo de ataque. O Barcelona usava a posse de bola como arma para frear o ímpeto merengue. Casemiro abriu o placar aos 28', após jogada iniciada por Marcelo. O Barcelona, que crescia à medida que Messi aparecia, chegou ao empate cinco minutos depois: troca de passes pela direita e bola para o argentino, que superou dois defensores antes de finalizar.

Vitória no clássico e festa no vestiário
(Créditos: Carles Aleñá/Instagram/Reprodução)

A etapa final foi ainda mais movimentada: grandes defesas de Navas e Ter Stegen, emoção até o apito final. Em belíssima finalização, Rakitic decretou a virada aos 28 minutos, três antes da expulsão de Sérgio Ramos. Piqué teve grande chance para marcar o terceiro, perdeu e viu o Real Madrid, mesmo sem o capitão, chegar ao empate aos 40': cruzamento de Marcelo e gol de James. Ainda faltava Messi: sete contra cinco no contra-ataque, assistência de Jordi Alba e gol no minuto final.

Cinco gols, várias alternativas e placar aberto até o minuto final.
A Espanha teve mais um dia de futebol em forma de espetáculo.

23/04/2017

O trunfo do América e a missão da URT

Vinícius Dias

No Mineirão, o Atlético abriu o placar com Rafael Moura, teve várias chances, desperdiçou e viu Marques empatar para a URT. Na Arena Independência, Messias colocou o América em vantagem, mas Thiago Neves marcou para o Cruzeiro logo depois. Os empates por 1 a 1 mantiveram a vantagem de Atlético e Cruzeiro, mas também os sonhos de URT e América, que terão 90 minutos para transformá-los em realidade neste domingo.


Atual campeão, o Coelho entrará em campo no Mineirão com o objetivo de dar mais um passo na busca pelo bi. Se o campo aponta que o time de Enderson Moreira ainda tem lacunas, o retrospecto serve como trunfo: desde 2004, quando o estadual passou a contar com primeira fase seguida de mata-mata, o América chegou à decisão duas vezes - em 2012 e 2016 -, superando justamente o Cruzeiro nas semifinais.

América e URT lutam por vaga na decisão
(Créditos: Carlos Cruz/América FC/URT/Divulgação)

Na Arena Independência, a missão da URT é, acima de tudo, reescrever a história: no atual formato do Campeonato Mineiro, o Atlético jamais foi eliminado por uma equipe do interior nas semifinais. Prestes a completar 78 anos, o Trovão Azul sonha em disputar a final pela primeira vez. A incógnita para o bom time comandado por Rodrigo Santana é como aliar a necessidade de vencer à de dar menos chances ao adversário.

Desde 2004, Atlético e Cruzeiro duelaram em sete das 13 decisões estaduais. No período, não houve nenhuma disputa de título sem a presença de pelo menos um deles. Em 2017, a história passa por América e URT.

20/04/2017


Depois de seis exercícios deficitários, Cruzeiro prevê superávit neste
ano; receita bruta com futebol profissional é orçada em R$ 381,9 mi

Vinícius Dias

Depois de seis exercícios deficitários, o Cruzeiro prevê fechar 2017 com superávit de R$ 28,7 milhões. O orçamento para esta temporada foi apresentado aos membros do conselho do clube na noite da última segunda-feira, em reunião que marcou a aprovação do balanço financeiro de 2016. Conforme o Blog Toque Di Letra antecipou, a receita operacional bruta com o futebol profissional foi orçada em R$ 381,9 milhões, projetando os repasses referentes a direitos econômicos e federativos de atletas por cessões, vendas e empréstimos como principal fonte: R$ 125 milhões.


A alta expectativa de arrecadação com negociações até o fim de 2017 foi assunto nos bastidores da reunião entre conselheiros. Um dos nomes mais citados foi o de Arrascaeta: no dia, circulou a informação de que o Cruzeiro recusou, na última janela, uma oferta de cerca de € 15 milhões do mercado europeu pelo jogador. O diretor de comunicação Guilherme Mendes ressaltou que o clube tem recebido propostas pelo camisa 10 constantemente, mas evitou dar detalhes, procedimento de praxe da diretoria celeste em relação a negociações não efetivadas.

Arrascaeta: alvo do futebol europeu
(Créditos: Washington Alves/Cruzeiro)

De acordo com dados registrados no último balanço tendo o dia 31 de dezembro de 2016 como referência, o Cruzeiro detém fatia minoritária dos direitos econômicos de Arrascaeta: 30%. Entre os principais nomes do elenco, apenas quatro estão 100% ligados ao clube celeste: Fábio, Rafael, Ariel Cabral e Rafael Sóbis. No caso de Dedé, por exemplo, sequer há participação nos direitos econômicos - no entanto, a Raposa tem direito a um percentual em eventual venda, situação antecipada em 2015.

Time em busca de títulos no ano

Sem comentar números, o departamento de futebol se posicionou sobre o planejamento dos trabalhos até o fim da temporada. "O Cruzeiro buscará cumprir as metas estabelecidas pela área financeira com responsabilidade e a seriedade que sempre marcaram a nossa conduta, mas também mantendo como prioridade a competitividade que nossos times precisam manter para alcançar todos os títulos que disputamos", destacou, nesta quinta-feira, por meio do departamento de comunicação.

Diretoria assegura equipe competitiva
(Créditos: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Em relação a despesas com o futebol profissional, o orçamento prevê, entre outras, custo de R$ 58 milhões com operações de venda e aquisição de atletas. Conforme apurou a reportagem, logo abaixo dos repasses referentes a direitos de atletas, as principais fontes de receitas projetadas são: direitos de transmissão - R$ 100,9 milhões -, luvas - R$ 64 milhões -, patrocínio e marketing - R$ 27,7 milhões. A expectativa quanto a programa de sócios e bilheteria, somados, é de R$ 41,6 milhões.

Uma quarta-feira, nove verdades

Vinícius Dias

1) Derrotado pelo São Paulo, no Mineirão, por 2 a 1, o Cruzeiro perdeu a invencibilidade em 2017, mas garantiu vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. Desde 1993, foi o sexto mata-mata em que a Raposa eliminou o tricolor. O time paulista levou a melhor apenas duas vezes.

2) Autor do segundo gol na vitória por 2 a 0, na ida, Hudson também teve papel decisivo no jogo dessa quarta-feira, que selou a classificação do Cruzeiro. Emprestado à Raposa pelo São Paulo, o volante liderou o quesito desarmes: segundo o Footstats, foram sete intervenções.

3) Em sete dias, Thiago Neves teve tês atuações decisivas com a camisa celeste. Nos duelos com o São Paulo, o meia somou um gol, uma assistência e a cobrança da falta que originou o gol contra de Pratto. O camisa 30 também balançou as redes no clássico contra o América.

4) Embora tenha sido eliminado, o São Paulo fez jus à proposta de Rogério Ceni e teve mais posse de bola no Morumbi e no Mineirão. O grande trunfo do Cruzeiro no jogo de ida, que garantiu a vantagem, foi não deixar o tricolor transformar o domínio das estatísticas em gols.

Thiago Neves marcou o gol celeste
(Créditos: Washington Alves/Cruzeiro)

5) Em noite pouco inspirada, o Atlético perdeu para o Libertad, por 1 a 0, em Assunção. A partida foi a nona como visitante contra equipes paraguaias. O retrospecto indica uma vitória, quatro empates e quatro derrotas. Em BH, são quatro vitórias e cinco empates em nove jogos.

6) O resultado no estádio Nicolás Leoz marcou o sexto tropeço alvinegro em dez jogos como visitante nesta temporada. Como mandante, o Atlético tem oito partidas e 100% de aproveitamento. Fora de casa, o time conquistou 46,7% dos pontos disputados.

7) Goleador da Copa Libertadores, Fred deixou o campo sem balançar as redes nessa quarta-feira. Foi apenas a quarta vez neste ano em que o atacante passou em branco. Com 16 tentos em 14 partidas, o camisa 9 lidera a artilharia entre os jogadores da Série A.

8) Mesmo derrotado, o Atlético não abriu mão de uma de suas principais características: a posse de bola. Na era Roger Machado, a equipe foi superada no quesito apenas uma vez: contra o Tombense, que teve a bola nos pés em 65% do tempo, segundo o Footstats.

Fred passou em branco em Assunção
(Créditos: Bruno Cantini/Flickr/Atlético-MG)

9) Até o fim de maio, Atlético e Cruzeiro podem se enfrentar mais quatro vezes. Isso acontecerá se ambos se classificarem à decisão do estadual e, nesta quinta-feira, o sorteio colocá-los como adversários nas oitavas de final da Copa do Brasil - o Galo está no pote 1, a Raposa no 2.